roger federer poema
Poemas

“Roger Federer”, um poema de Pedro Lucas Rego

coroado em láureas, qual César, secava a face;
mas nem precisava tanto:

se a defesa não exigia esforço
e tinha o escudo de Aquiles
quando na raquete rebatia a bola
que vacilante viajava esquivando-se do adversário;

mas não precisava tanto
se podia lutar enquanto dançava,
se uma perna levíssima levava a outra
e a outra
levantava feito um adagio na esquerda,

e num passo após o outro os pés
traçando semicírculos se recompunham
(split step)
para o corpo arqueado flechar na paralela

— punha as milimétricas mechas em disciplina militar
e era Ulisses no Bolshoi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *