Poemas

Análise: “Tecendo a Manhã”, de João Cabral de Melo Neto

Tecendo a Manhã

1.

Um galo sozinho não tece uma manhã:
ele precisará sempre de outros galos.
De um que apanhe esse grito que ele
e o lance a outro; de um outro galo
que apanhe o grito que um galo antes
e o lance a outro; e de outros galos
que com muitos outros galos se cruzem
os fios de sol de seus gritos de galo,
para que a manhã, desde uma teia tênue,
se vá tecendo, entre todos os galos.

2.

E se encorpando em tela, entre todos,
se erguendo tenda, onde entrem todos,
se entretendendo para todos, no toldo
(a manhã) que plana livre de armação.
A manhã, toldo de um tecido tão aéreo
que, tecido, se eleva por si: luz balão.

“Tecendo a manhã” é o meu poema favorito do Cabral. Ele está presente no livro A Educação pela Pedra e constitui o que seria chamado de soneto cabralino. Aqui o poeta escreve versos metalinguísticos cuja genialidade se sustenta sobretudo na organização sintática, compondo um poema que vai muito além da metalinguagem.

Contact — gracie barra chieri jiu-jitsu & fitness buy injectable steroids jk fitness diamond c-air air bike professional-prompt delivery-

A partir da imagem metafórica da construção da manhã, Cabral também ensina a forma de se fazer um poema: uma palavra puxando a outra que puxa a outra e mais outra e que, no fim, formará uma unidade que se sustenta por si própria; sem a interferência de assuntos externos à arte para definir a sua qualidade. 

À princípio, o leitor desavisado estranhará as elipses do poema; porém, são essas omissões que o tornam tão interessante. O período “De um que apanhe esse grito que ele/ e o lance a outro” não faria sentido analisado isoladamente. No entanto, no contexto, após a leitura dos dois versos iniciais, é possível identificar claramente a intenção do autor: 

[Precisará sempre] de um [galo] que apanhe esse grito que ele [cantou] e o lance a outro”  

Toda a técnica de omissão de Cabral condiz perfeitamente com a mensagem que o poema passa: apenas o conjunto de elementos é capaz de dar unidade. Assim, para reiterar essa ideia, o poeta emaranha o sentido de seus versos não apenas por meio de omissões, mas também pela coordenação de orações, marcada principalmente pelo elemento coesivo “e”:

e o lance a outro […]
e o lance a outro; e de outros galos
[…]
E se encorpando em tela

Honrando a alcunha de engenheiro concedida a Cabral, essa adição coordenativa faz um encaixotamento sintático – como se as orações estivessem sendo empilhadas numa construção –, o que reitera a imagem da manhã que está sendo tramada pelos galos e seus cantos que funcionam como fios.  

Além disso, o enjambement é utilizado perfeitamente pelo autor. Aqui, reiterando a ideia de construção coletiva da unidade, o poeta quebra o verso e continua o mesmo período no verso seguinte, aproveitando-se dos sentidos e das imagens evocadas pelos verbos “lançar” e “apanhar”: 

De um que apanhe esse grito que ele
e o lance a outro; de um outro galo
que apanhe o grito que um galo antes
e o lance a outro; […]

Na segunda estrofe, a manhã já está formada e Cabral já não fala de galos e cantos. Sua construção nos transmite mais estabilidade, justificada pela escolha dos verbos no presente do indicativo e no gerúndio, que comunicam a atual ocorrência dos fenômenos, diferentemente dos verbos no futuro e no subjuntivo utilizados na primeira estrofe.

Assim, é possível perceber que ao mesmo tempo que Cabral emaranha as imagens dos cantos dos galos, ele utiliza recursos técnicos que transmitem a mesma sensação de dependência e unidade. Dessa forma, o poeta nos mostra a individualidade que compõe o todo, sempre partindo da ideia de progressão: um galo sozinho, outro galo, outros galos, todos os galos, para tramarem, no fim, a manhã – tecido que se eleva por si.

2 Comentários

  • Laurindo Bonilha Regueira

    Análise interessante. Apesar de breve, muito ampla, inclusive considerando aspectos gramaticais.
    Pergunto: por trás da ideia da construção coletiva realizada pelos galos, teria o poeta metaforizado um senso coletivo do operariado?

  • Neusa de Souza Saraiva

    Aproveitando o comentario de Laurindo, tb entendo que sim, o operario acorda com o cantar dos galos, e um a um,seguem seu dia, abrem seu toldo,se juntam e encaminham para a luz balão, o trabalho nosso de cada dia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *