Poemas

“Chuva ácida”, um poema de Kalew Nicholas

Um fio de fumaça faz a ponte
entre o morro e essas nuvens.
Enquanto a terra inflamada devora os pneus,
a poeira levanta com os rastros da fuga.

E a fumaça dos pneus queimados,
com esse cheiro que impregna nos rostos,
defuma os seus churrascos, suas lajes,
seus quartos e os momentos de ócio.

A diretora, na manhã seguinte,
entrará na sala de aula pesarosa.
Seus colegas lamentarão até a hora do recreio.
Sua mãe nunca mais terá um emprego.

Quando o sol se deita e os turistas se escondem
(assustados com o vapor que embaçou suas fotos
e o clamor da rua pelos filhos de Sivuca)
a chuva cai pra derreter o Pão de Açúcar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *